4da06b4d1e26691ff46d67a7ba8f9e38_XL.jpg

SOBRE A ORGANIZAÇÃO

O Sr. Abílio Augusto Biato, português de nascimento, chegou ao Brasil em 1893. Presbítero desde 1918 da 1a. Igreja Evangélica no Brasil, a Igreja Evangélica Fluminense, no Rio de Janeiro, ficou viúvo da Sra. Leopoldina Novaes Biato, em 1917, com 7 filhos para criar, sendo um deles recém-nascido.

Diante das dificuldades enfrentadas, viu-se na necessidade de internar 3 dos seus filhos num colégio em Lavras - MG, e os outros com o irmão e o bebe com os sogros, até que casou-se novamente e conseguiu restituir a família trazendo seus filhos de volta, para juntarem-se aos outros cinco filhos, fruto do casamento com D. Albertina.

Em razão de sua experiência, ele compreendeu a necessidade da criação de um estabelecimento que acolhesse os filhos de pessoas na mesma situação.

Em 1919, durante a realização da 3a. Convenção das Igrejas Evangélicas (hoje União das Igrejas Evangélicas Congregacionais do Brasil), o Presbítero Biato, um dos delegados ali presentes, propôs a criação desse estabelecimento sendo bem recebida a proposta e aprovada por unanimidade, dando surgimento à  fundação de um orfanato evangélico, “com fundo especial e vida própria, destinado a recolher os órfãos de nossas igrejas e de outras”, apesar das grandes dificuldades a serem enfrentadas na realização de empreendimentos de tamanha complexidade.

Em 1947, esse sonho se torna realidade e temos, até hoje, o funcionamento do Abrigo Evangélico da Pedra de Guaratiba, que se mantém, desde aquela época até os dias de hoje, com as contribuições de diversas igrejas, empresas e amigos do Abrigo, como também, a nossa tradicional quermesse do dia 21 de abril.

O Presbítero Abilio Biato, idealizador, fundador, provedor e sustentáculo dessa magnífica obra, faleceu em 1953, nos deixando esse grande legado.

(Fernando Almeida Biato)

target.png

Missão

Oferecer proteção integral a criança em situação de acolhimento institucional e simultaneamente realizar um trabalho de orientação e apoio sócio familiar.

Programa

Além de sua Diretoria formada por conselheiros capacitados, mantém uma equipe formada por:

- Serviço Social
- Psicologia
- Coordenação
- Farmácia

Vinculada a FEBIEX RJ - Federação Estadual das Instituições do Estado do Rio de Janeiro, a instituição tem capacidade para acolher 20 recém-nascidos e/ou crianças com idades entre 0 a 6 anos de ambos os sexos, que se encontram em situação de vulnerabilidade e risco pessoal e social.
 

O QUE É O ABRIGO ?

Orfanato ≠ Abrigo

Orfanato = local que acolhe crianças órfãs (sem pai e mãe - não existe mais).

Abrigo = casa de acolhimento de menores de idade com seus direitos violados.

Todas as crianças e adolescentes chegam aos abrigos através do CT (conselho tutelar) ou vara da infância por diversos motivos: maus tratos, abandono, negligência, abuso, violência, dentre outras coisas que violam o direito da criança e do adolescente.

Elas moram no abrigo por tempo indeterminado, até que sua situação jurídica seja resolvida.

O abrigo não é um local que tem crianças para adoção. Todas as crianças do abrigo (salvo exceção) tem família e a prioridade pelo ECA (estatuto da criança e do adolescente) é que a criança seja reinserida ao convívio familiar (nem sempre os pais terão condições de pegar o menor, mas pode ser qualquer parente que deseja e possa ter a guarda daquele menor a fim dele não ser separado do seio familiar).

A estrutura do abrigo para o funcionamento dele é composto por uma equipe técnica, contendo assistente social, psicólogo e coordenador.

As crianças e adolescentes acolhidos em abrigo estão em segredo judicial, e por este motivo não podem ter suas imagens e casos revelados para terceiros.

Os abrigos trabalham em prol da criança e adolescente acolhido buscando o melhor perante a lei para aquele menor.

O abrigo NÃO faz adoção. A adoção é pelo juizado de menores.

COMO FUNCIONA A  ADOÇÃO ?

Para adotar, você deve procurar a vara da infância e juventude da sua comarca e dar entrada na habilitação para adoção.

1. Ir à comarca e pedir para dar entrada na habilitação, eles irão te dar uma lista de documentos a serem recolhidos para dar essa entrada.

2. Documentos entregues, a pessoa passará por reuniões e preparos para a adoção com psicólogos e assistentes sociais.

3. Visitarão a sua residência.

4. A pessoa que deseja adotar pode traçar um perfil: cor, idade, sexo, se aceita alguma doença, se aceita irmãos.

5. O adotante não pode escolher uma criança, apenas traçar o perfil desejado.

6. Depois de todo esse processo a pessoa se torna habilitada para adoção e entra em uma fila do perfil que ela escolheu (quanto mais restrito o perfil mais demora a fila).

 

Obs.: A pessoa que está passando pelo processo de habilitação ou já se encontra habilitado para adoção não pode ser um voluntário no abrigo e não pode fazer visitas ao abrigo por determinação judicial.

Rua Belchior da Fonseca, 165 - Bairro Pedra

de Guaratiba - 23.027-260

(21) 2417-1724/(21) 2417-2915

  • Facebook
  • Instagram